Você sabe a diferença entre gamificação de conteúdo e gamificação estruturada?

Engana-se quem pensa que gamificação é uma palavra que se encerra em si mesma. Quando aprendi que os elementos de jogos podiam transformar ou não o meu conteúdo, foi como descobrir que o preto é diferente do branco.  

Nesse texto, pretendo explicar a diferença entre a gamificação de conteúdo e gamificação estruturada. Pretendo mostrar também como um professor que deseja continuar ministrando aulas expositivas podem inovar mantendo seu formato de aula, mas mudando a maneira como motiva os seus alunos a prestarem a atenção e realizarem as atividades.

No livro Aula Em Jogo: descomplicando a gamificação, há um capítulo inteiro sobre o tema. Detalho seus usos em diferentes contextos de aprendizagem: de uma aula tradicional a aprendizagem baseada em projetos.

Como gamificar o conteúdo?

Como professor, posso utilizar a gamificação para transformar o meu conteúdo sobre fotossíntese em enigmas e solicitar aos alunos que descubram a resposta. Para impactá-los mais emocionalmente, da mesma forma, posso dizer que um experimento deu errado e um planta cresce agora de forma descontrolada.  Como expliquei no post anterior, gamificação é uma metodologia inventiva e muito versátil.

Além disso, posso ainda me inspirar na história do cientista Bruce Branner, o Hulk, e seus experimentos de mutação e radioatividade. Então, Imagine uma planta gigante mutante que precisa ser contida e, para isso, seus alunos devem desvendar os enigmas do metabolismo desse ser.  

Nesse exemplo, como estou utilizando a gamificação? Oras, o elemento da narrativa e as mecânicas de enigmas. Depois disso, para ativar um senso de urgência, posso ainda determinar que os alunos têm exatos 40 minutos para resolver todos os desafios propostos.

Agora, veja bem, tenho a narrativa, o enigma e um tempo determinado. Dessa forma, o meu conteúdo precisa ser obrigatoriamente modificado com a adição desses elementos, percebe?

gamificação tipos educacão
A gamificação como metodologia inventiva oferece uma série de caminhos para transformar o conteúdo e motivar os alunos.

Isso é a o que chamamos de gamificação de conteúdo.

Há muitas maneiras de gamificar conteúdos. Você pode fazer isso manualmente ou utilizar recursos digitais como a plataforma Escape Factory, uma plataforma completa que lhe oferece 1001 maneiras para fugir de uma aula tradicional.

Como gamificar sem modificar o conteúdo

Agora esquece toda a história da planta mutante. Volta a imaginar uma aula de fotossíntese com slides e textos sobre as fases, os reagentes e produtos desse processo metabólico.

Volte a se imaginar no tablado apresentando os slides para os alunos. É possível gamificar nesse formato? A boa notícia que lhe trago é: SIM! SIM! SIM!

Portanto, professores que gostam de uma boa aula expositiva podem inovar e alcançar resultados incríveis, sem se dar o trabalho de reorganizar suas sequências didáticas.

Pois bem, o segredo está na chamada gamificação estruturada.

Primeiro, você pode utilizar os elementos dos jogos para criar uma trilha motivadora para seus alunos, não focada na mudança no conteúdo, mas sim em conquistas, recompensas e reconhecimento social.

Por exemplo: o aluno que assiste a aula e faz os exercícios propostos ganha 1 ponto. O aluno que faz o dever de casa recebe uma insígnia que sinaliza ser um bom aluno.  Você pode escolher no final da aula o aluno mais participativo e atribuí-lo pontos, um outro badge.

Repare, essa é a gamificação estruturada, mas para ser bem sincero ela faz muito pouco efeito se usada em uma aula. Gamificação estruturada ganha mais musculatura e valor quando utilizada em um bimestre, semestre ou ano letivo inteiro para falar a verdade.

Com ela, você pode estrutura níveis, fases, missões, pode atribuir pontos a cada atividade cumprida, distribuir os badges – e veja que interessante – sem mudar em nada o conteúdo. Perceba que na gamificação estruturada os elementos dos jogos permeiam o conteúdo da experiência de aprendizagem.

Por outro lado, a gamificação de conteúdo modifica a maneira como produzimos e distribuímos a informação e mobilizamos a participação dos estudantes.

Plataformas digitais e a gamificação estruturada

Além disso, plataformas digitais como a Khan Academy deitam e rolam em cima da gamificação estruturada. Acima de tudo, elas criam trilhas e missões para motivar os usuários a realizarem as atividades sem alterar o conteúdo dos vídeos e as atividades.

É importante destacar que os dois tipos de gamificação são poderosos para o aprendizado e seu poder é potencializado ainda mais quando se aplica os dois tipos de forma combinada.

E aí, professor, me conta se você já havia percebido essas diferenças e se já utilizou algum desses dois tipos de gamificação em suas aulas.